Buscar

A obesidade pode melhorar a resposta à imunoterapia do câncer?


É desnecessário falar sobre os efeitos nocivos de um alto índice de massa corporal (IMC) e da obesidade, que afetam negativamente a evolução de diabetes, doença cardiovascular, câncer e outras doenças. Contudo, toda regra tem exceção, e um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Flinders, na Austrália, acaba de reforçar esta afirmação.


Em um artigo recente publicado na JAMA Oncology os pesquisadores australianos afirmam a existência de um paradoxo da obesidade, onde maior IMC favorece melhores respostas à imunoterapia com atezolizumabe (anti-PD-1) no câncer de pulmão de não pequenas células (NSCLC) avançado. Tal afirmação é o resultado de um estudo que avaliou 2261 pacientes com NSCLC pertencentes a quatro ensaios clínicos. Desse total, dados estavam disponíveis para 2110 pacientes, sendo que 1434 receberam atezolizumabe e 676 receberam quimioterapia com docetaxel.


Dos 1.434 participantes tratados com atezolizumabe, 49% apresentavam peso normal, 34% apresentavam sobrepeso e 7% eram obesos. A obesidade (IMC ≥30) foi associada a uma melhora significativa da sobrevida global nos pacientes tratados com atezolizumabe, mas não naqueles que receberam docetaxel após o ajuste para variáveis de confusão. A associação entre IMC e resposta à imunoterapia foi mais forte no subgrupo com alta expressão de PD-L1.


A sobrevida global de pacientes com a categoria mais alta de expressão de PD-L1 (≥50% das células tumorais ou ≥10% das células imunes infiltradas em tumores; n = 436) apresentou taxas de risco de 0,36 (IC 95%) para o grupo com obesidade e 0,69 (IC 95%) para o grupo com excesso de peso. Os pacientes com a categoria mais alta de expressão de PD-L1 apresentaram taxas de risco de sobrevida livre de progressão de 0,68 (IC 95%) para o grupo com obesidade e 0,72 (IC 95%) para o grupo com sobrepeso. Esses resultados, semelhantes aos encontrados em estudos com melanoma, justificam a execução de mais estudos para entender o papel protetor alto do IMC na imunoterapia do câncer.


Quer saber mais?


Veja esse artigo e mais notícias sobre inovação em Medicina, Odontologia e Farmácia no nosso app. Lá além de mais conteúdos, você poderá montar a sua biblioteca de artigos para referência. Acesso gratuito.


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play

5 visualizações