Buscar

Classificação funcional do glioblastoma permite avaliação prognóstica


O glioblastoma multiforme (GBM) é o mais comum e mais agressivo dentre os tumores cerebrais, com uma sobrevida média de apenas 15 meses após o diagnóstico. Até o momento, as classificações tradicionais utilizadas para a doença, com base no tipo de célula visto, ou mesmo no tipo de mutação apresentada pelo tumor, não são capazes de predizer o seu comportamento e nem direcionar o melhor tipo de terapêutica a ser administrado.


Agora, pesquisadores da Columbia University e do Herbert Irving Comprehensive Cancer Center descobriram que até 20% dos tumores GBM possuem mitocôndrias hiperativas que suportam seu crescimento, podendo ser tratados com drogas já existentes e que passam por testes clínicos.


O cerne do estudo foi a utilização de técnicas de sequenciamento de célula única em 36 diferentes tumores GBM de pacientes, em um total de 17.367 células únicas. Isso permitiu identificar as características biológicas essenciais de cada tumor, possibilitando que fossem classificados em 4 grupos funcionais.


Quer saber mais?


Veja esse artigo e mais notícias sobre inovação em Medicina, Odontologia e Farmácia no nosso app. Lá além de mais conteúdos, você poderá montar a sua biblioteca de artigos para referência. Acesso gratuito.


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play

11 visualizações
DOCMEDIA_ICONE_HIG_RES_WHITE.png

healthcare innovation

Atenção: Docmedia é um espaço informativo de divulgação e educação sobre temas relacionados à saúde, tecnologias e pesquisas científicas. Não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
© 2020 Pharmedia Informática Ltda