Buscar

Descrito mecanismo microglial que pode levar a terapias para a doença de Parkinson


Agregados de proteína alfa-sinucleína insolúvel fazem parte da patogênese de distúrbios neurodegenerativos como a doença de Parkinson (DP) e a demências dos corpos de Lewy (DCL). Como consequência clínica, sobrevêm déficits locomotores progressivos por perda de neurônios dopaminérgicos da substância negra.


Em condições ideais, as células microgliais reconhecem a alfa-sinucleína agregada promovendo sua degradação, ainda que em um processo demorado e de grande gasto energético. Entretanto, os detalhes desse processo não foram descritos.


A novidade é que pesquisadores do Hospital Universitário de Bonn relataram mais detalhes desse mecanismo, em um avanço que pode originar novos tratamentos para as sinucleinopatias.


Quer saber mais?


Baixe o app e acesse o material completo com link do artigo, além de canais de notícias, eventos e muito mais!


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play

1 visualização