Buscar

Os desafios da odontologia no tratamento do autista


O transtorno do espectro autista (TEA) está associado a várias anormalidades orofaríngeas, incluindo disbiose na microbiota oral. Uma vez que a cavidade oral é o início do trato gastrointestinal, isso fortalece e estende a noção de um eixo microbiano intestino-cérebro no TEA e até levanta a questão da existência de um eixo microbiano oral-cérebro.


Neste estudo na Universidade de Oslo, 61 crianças com TEA, com idades entre 6 e 16 anos (45 homens e 16 mulheres), observou-se maior prevalência de cárie, higiene oral pobre e extensas necessidades não atendidas de tratamento dentário em comparação com pacientes sem autismo. Isso poderia promover a dissipação de bactérias orais para a circulação sanguínea e, potencialmente, para o cérebro, iniciada por doenças generalizadas induzidas por placa dentária, como cárie, gengivite e periodontite.


E como a microbiota oral afeta o intestino ?


Os sintomas gastrointestinais foram quatro vezes mais prevalentes em crianças com TEA. Os sintomas gastrointestinais observados em indivíduos com autismo podem incluir constipação, diarreia, distensão abdominal, dor abdominal, refluxo, vômitos, gases e fezes com odor fétido.


Quer saber mais?


Veja esse artigo e mais notícias sobre inovação em Medicina, Odontologia e Farmácia, no nosso app. Lá além de mais conteúdos, você poderá montar a sua biblioteca de artigos para referência. Acesso gratuito.


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play



5 visualizações