Buscar

Droga experimental trata Alzheimer melhorando o sistema de depuração das células


No tecido cerebral as células neuronais contam com a autofagia mediada pela proteína chaperona (AMC) como sistema de vigilância para manter a proteostase. Com isso, proteínas defeituosas são ligadas pela chaperona e direcionadas aos lisossomos para digestão e reciclagem. Suspeitando uma relação entre AMC e doenças neurodegenerativas, pesquisadores da Faculdade de Medicina Albert Einstein recorreram a modelos animais para testar sua hipótese.


Os experimentos em ratos confirmaram que tanto a falta da AMC pode levar a uma doença semelhante ao Alzheimer, como a doença de Alzheimer pode prejudicar a AMC. Esses achados foram reforçados por resultados sugestivos em amostras post mortem de cérebros de portadores de Alzheimer. Por fim, a equipe também relata que obteve bons resultados em testes pré-clínicos com uma droga experimental que atua sobre os processos que garantem a proteostase no tecido cerebral.


Quer saber mais?


Veja esse artigo e mais notícias sobre inovação em Medicina, Odontologia e Farmácia no nosso app. Lá além de mais conteúdos, você poderá montar a sua biblioteca de artigos para referência. Acesso gratuito.


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play

10 visualizações