Buscar

Estudo coloca glutamina com papel central na obesidade e inflamação sistêmica


Pesquisadores suecos do Instituto Karolinska, em associação com colegas britânicos da Universidade de Oxford, publicaram um estudo na Cell Metabolism no qual sugerem que a glutamina possa favorecer a redução da massa de gordura corporal e diminuir a inflamação de baixo grau do tecido adiposo associada à obesidade. O estudo mostrou que a glutamina tem o poder de alterar a expressão de determinados genes a depender de suas concentrações no meio extracelular. O excesso de energia consumido é armazenado preferencialmente no tecido adiposo branco (WAT) e o seu aumento gera, por mecanismos ainda obscuros, inflamação crônica de baixo grau.


Para tentar elucidar esse mecanismo, os pesquisadores coletaram amostras de gordura abdominal de 52 mulheres obesas e 29 mulheres sem obesidade. Nessas amostras vários metabólitos foram quantificados, de forma a evidenciar as diferenças entre as amostras com e sem obesidade. Dentre os achados relativos a esses metabólitos, as diferenças nas concentrações de glutamina entre amostras com e sem obesidade foram as mais significativas. Pessoas com obesidade tinham, em média, níveis mais baixos de glutamina no tecido adiposo do que as pessoas com peso normal. Níveis mais baixos de glutamina também foram associados a um tamanho maior de células de gordura e a um maior percentual de gordura corporal, independentemente do índice de massa corporal (IMC).


Para aprofundar esse achado, experimentos em tecido adiposo humano e de animais evidenciou que menores níveis de glutamina resultam no aumento da expressão de genes pró-inflamatórios do WAT por meio do mecanismo O-GlcNAcylation. Além disso, ratos obesos que receberam injeções de glutamina por duas semanas apresentaram menos inflamação do tecido adiposo, menor massa gorda, menor tamanho de adipócitos e menores níveis glicêmicos que animais tratados com placebo. Mais estudos são necessários para recomendar a glutamina como suplemento terapêutico na obesidade, mas o trabalho abre essa possibilidade.


Quer saber mais?


Veja esse artigo e mais notícias sobre inovação em Medicina, Odontologia e Farmácia no nosso app. Lá além de mais conteúdos, você poderá montar a sua biblioteca de artigos para referência. Acesso gratuito.


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play

134 visualizações