Buscar

Estudo demonstra que ácidos biliares possuem também função imunológica


A função alimentar da secreção biliar é bem conhecida. A novidade é que pesquisadores da Harvard Medical School demonstraram que ácidos biliares também possuem função imunológica de controle da inflamação. O estudo foi publicado na Nature e narra experimentos realizados em modelo murino que podem ter relevância no tratamento da doença inflamatória intestinal (DII).


Resumidamente, após secretados e completada sua função alimentar, os ácidos biliares seguem no trato gastrointestinal, onde são modificados em moléculas imunorreguladoras pela microbiota. Os ácidos biliares modificados ativam duas classes de células imunes: células T reguladoras (Treg) e células T auxiliares efetoras (especificamente TH17). Essas duas classes de células imunes exercem delicada modulação do status inflamatório intestinal. Detectado um patógeno, as células T auxiliares efetoras reagem com inflamação para combater a agressão. Uma vez que isso é resolvido, as células Treg entram em ação para que o processo inflamatório seja contido, evitando dano tecidual.


No estudo, células T imaturas de rato foram expostas a vários ácidos biliares. Dois deles, derivados distintos do ácido litocólico (LCA), demonstraram ação sobre as células imunes, sendo que 3-OxoLCA inibiu a diferenciação de células TH17 via ligação ao fator de transcrição chave retinóide-relacionada orphan receptor-γt (RORγt) e isoalloLCA aumentou a diferenciação de Treg via produção de radicais livres mitocondriais (mitoROS) e aumento da expressão do FOXP3. O passo seguinte foi administrar cada uma das moléculas separadamente a um grupo de ratos.


Foi observado que 3-OxoLCA provocou diminuição no número de células TH17, ao passo que a administração de isoalloLCA provocou aumento de células Treg, comprovando a funcionalidade do novo mecanismo imune. Além disso, foi descoberto que as duas moléculas estão presentes nas fezes humanas, inclusive pessoas com DII, sugerindo que o mesmo mecanismo está presente em humanos e pode ser modulado.


Quer saber mais?


Veja esse artigo e mais notícias sobre inovação em Medicina, Odontologia e Farmácia no nosso app. Lá além de mais conteúdos, você poderá montar a sua biblioteca de artigos para referência. Acesso gratuito.


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play

17 visualizações