Buscar

Novo estudo polemiza a fisiopatologia da doença de Alzheimer


A primeira identificação de placas de proteína amiloide insolúvel nos cérebros dos portadores de doença de Alzheimer (DA) remonta há mais de um século. Desde então, os esforços para tentar tratar a doença se baseiam na tentativa de eliminar essas placas.


A novidade é que um estudo de pesquisadores da Universidade de Cincinnati em colaboração com colegas do Instituto Karolinska anuncia evidências capazes de modificarem todo o pensamento vigente sobre a fisiopatologia da DA e, consequentemente, estratégias de tratamento.


O novo modelo mecanicista para a DA foi suportado por evidências de pacientes do mundo real, fazendo com que a equipe entenda as descobertas como o provável caminho futuro dos tratamentos para Alzheimer.


Quer saber mais?


Baixe o app e acesse o material completo com link do artigo, além de canais de notícias, eventos e muito mais!


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play

16 visualizações