Buscar

Substitutos enriquecidos do leite materno não oferecem benefícios cognitivos


É costumeiro ver propagandas recomendando a utilização de fórmulas infantis enriquecidas para crianças como substitutos do leite materno após interrupção do aleitamento. Segundo essas peças publicitárias, muitas embasadas por estudos, a adição de nutrientes como ácidos graxos ômega 3 e ferro levariam a melhor desenvolvimento cognitivo.


O tema ganha importância, porque as taxas de aleitamento materno com duração maior que 6 semanas são baixas em diversas partes do mundo e mais de 60% dos bebês abaixo de 6 meses recebem fórmulas para substituir ou suplementar o leite materno.


A novidade é que pesquisadores do University College of London’s Great Ormond Street Institute of Child Health conduziram um longo e importante estudo no tema, obtendo descobertas que devem ser consideradas na nutrição infantil.



Quer saber mais?


Baixe o app e acesse o material completo com link do artigo, além de canais de notícias, eventos e muito mais!


Baixe aqui AppStore


Baixe aqui Google Play

1 visualização